RESILIENCE – Autorregulação e Hábitos Saudáveis como fatores protetores em contexto de pandemia – evidência da COVID-19

Enfrentamos uma fase em que a ciência é necessária para compreender e prevenir os possíveis impactos da pandemia COVID-19.

Neste sentido, uma equipa de investigadores do Centro de Investigação em Psicologia (CiPsi), da Escola de Psicologia da Universidade de Minho, convida-o(a) a participar no estudo “RESILIENCE – Autorregulação e Hábitos Saudáveis como fatores protetores em contexto de pandemia – evidência da COVID-19”, através do questionário disponível em: https://eeguminho.eu.qualtrics.com/jfe/form/SV_0CHGGRSv1QPru3r

Através do presente projeto, esperamos recolher dados que permitam aumentar o conhecimento sobre a importância dos processos cognitivos de autorregulação como ferramenta essencial na prevenção e mitigação dos efeitos negativos da COVID-19 -ou situações pandémicas similares- na saúde física e mental.

Os objetivos principais são: (i) avaliar a capacidade dos indivíduos em autorregular-se numa situação de crise – e.g. pandemia COVID-19; (ii) Perceber de que forma é que a capacidade de autorregulação individual está associada à adoção de comportamentos saudáveis, e qualidade de vida, em momentos de adversidade.

De forma a alcançar estes objetivos, foram especificados os seguintes objetivos e hipóteses específicas:

O.1) Recrutar uma amostra representativa (N => 500) de adultos que se encontrem atualmente ou recentemente em isolamento, a fim de realizar uma inquérito sobre a sua capacidade de autorregulação, e os seus hábitos de vida, assim como a sua qualidade de vida, e níveis de stress, incluindo variáveis psicológicas que possam ser consideradas potenciais fatores de risco, influenciando negativamente a capacidade de autorregulação dos indivíduos.

H.1) De acordo com alguns relatórios em autorregulação na área da saúde e da doença, prevê-se encontrar um efeito positivo da capacidade de autorregulação na adoção e manutenção de hábitos saudáveis, qualidade de vida e níveis de stress, cujos benefícios revelam-se associados a uma resposta imunitária mais eficiente, agindo como fator protetor numa situação epidémica.

O.2) Realizar avaliações de seguimento de cada participante, 3 e 12 meses, após a avaliação inicial.

H.2) As avaliações de seguimento permitirão identificar se a capacidade de autorregulação e a prática de hábitos saudáveis, assim como a qualidade de vida e níveis de stress relatados, se alteram face ao desconfinamento gradual.

 

 

 

 

Ligações Relevantes

RESILIENCE – Autorregulação e Hábitos Saudáveis como fatores protetores em contexto de pandemia – evidência da COVID-19”, questionário disponível em: https://eeguminho.eu.qualtrics.com/jfe/form/SV_0CHGGRSv1QPru3r

Palavras-chave

Pandemia

COVID-19

Autorregulação

Hábitos saudáveis

Qualidade de vida

 

Utilizadores Associados

Localização

Portugal

Entidades

Centro de Investigação em Psicologia, Escola de Psicologia, Universidade do Minho.

0 comentários

Comentar